Custodiadas do sistema prisional terão acesso a exame de dosagem hormonal

A Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) continua inovando na área de saúde para os custodiados em Alagoas.  A partir deste mês, as reeducandas do Sistema Prisional alagoano terão acesso ao exame de dosagem hormonal, no qual será possível diagnosticar doenças, garantindo prevenção e agilidade aos tratamentos. O início da aplicação dos exames ocorreu nessa terça-feira (23), e as primeiras beneficiadas foram as custodiadas do presídio feminino Santa Luzia.

Alagoas é o estado pioneiro na realização dos testes hormonais para o público privado de liberdade. Por meio do exame, será possível verificar vários fatores de predisposição no paciente, além de diagnosticar, de forma precoce, diversas doenças, entre elas, o câncer de mama, que, segundo o Ministério da Saúde, é a segunda principal causa de morte entre mulheres na América. Já conforme os dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o tipo de doença mais comum entre mulheres no Brasil, correspondendo a cerca de 25% de novos casos todos os anos.

Segundo a Gerência de Saúde da Seris, o exame de dosagem hormonal para as mulheres privadas de liberdade busca identificar, de forma preventiva, os excessos ou insuficiências hormonais na circulação sanguínea das pacientes, auxiliando no controle hormonal e no tratamento de sintomas comuns durante o ciclo hormonal, como os ocasionados pela alteração de humor. Na dosagem hormonal são realizados exames como Estradiol, FSH, LH e testosterona, que atuam no ovário; progesterona e prolactina, que agem, respectivamente, no útero e mama; como também os testes de TSH, T3 e T4 livre, que atuam na tireóide, responsável por regular o metabolismo. As análises são uma importante aliada na prevenção de doenças.

Para a biomédica da Seris, Fábia Marques, o diagnóstico precoce vai auxiliar no convívio dentro da unidade. “Com o trabalho preventivo, buscamos, além de pré-diagnósticos como uma prática terapêutica, evitar ou controlar as disfunções de ciclos hormonais, que normalmente trazem alguns sintomas como cólica menstrual, dores nas mamas, além de alterações de humor, comuns no período menstrual”, afirmou à biomédica, acrescentando que, antes da realização dos exames, as pacientes receberão todas as informações necessárias. Após o resultado, todas passarão por acompanhamento médico de acordo com a necessidade diagnosticada por meio do exame.

Ela destaca também que, além de ser um importante aliado para diagnosticar e prevenir algumas patologias que são desenvolvidas no organismo, o exame de dosagem hormonal também é um instrumento na quebra de alguns preconceitos. “Em virtude da falta de conhecimento sobre o exame, algumas mulheres ainda têm resistência, mas, a partir do diagnóstico, elas irão aprender a identificar alguns sintomas clínicos, como dores nas mãos, alterações no ciclo menstrual, irritabilidade, entre outros que normalmente são relacionados à disfunção hormonal”, afirmou Fábia Marques.

Ainda segundo a biomédica, o diagnóstico precoce vai permitir maximizar os resultados das práticas terapeutas, além de criar um tratamento médico personalizado, indo além do padrão dos exames solicitados, como hemograma, para uma busca mais específica do problema.

Os testes hormonais acontecerão periodicamente, contemplando 10 reeducandas por mês. O resultado chega em 30 dias. Após este prazo, a paciente passará pelo atendimento médico, quando serão avaliados os tratamentos, conforme cada diagnóstico.

De acordo com a gerente de Saúde da Seris, tenente PM Jackeline da Silva, a realização dos exames faz parte das diretrizes estabelecidas pela secretaria no tocante ao aperfeiçoamento dos serviços de saúde nas unidades prisionais. “A realização de exames como este é uma excelente forma de prevenção de algumas doenças. A busca ativa é uma das diretrizes estabelecidas pela secretaria, visando ao controle e melhor oferta de tratamento, caso necessário. Isso é muito importante para ambientes como o sistema prisional e, principalmente, para as reeducandas que lá se encontram”, disse a gestora.

A Flaviana dos Santos é uma das reeducandas contempladas com o exame. Aos 27 anos de idade e mãe de quatro filhos, ela acredita que o exame vai ajudá-la a tratar problemas recorrentes, como a TPM. “Todos os meses sinto muitas cólicas, elas chegam a ser insuportáveis, além de também me sentir muito irritada neste período. Espero que depois do exame eu possa iniciar o tratamento, e assim me livrar deste problema, além de prevenir outros, como o câncer”, disse a custodiada.

Saúde Prisional

Além de exames preventivos, a Seris desempenha ações periódicas dentro das unidades prisionais, que visam combater a proliferação de doenças. Além de testes rápidos, também são realizadas campanhas de conscientização e de educação, voltadas para o diagnóstico de doenças pré-existentes, como HIV, sífilis e hepatites, entre outras. A gerência de Saúde também desenvolve campanhas de conscientização, com palestras sobre sexualidade, que abordam desde o uso de anticonceptivos até os cuidados durante a gravidez, além de palestras sobre saúde bucal e distribuição de kits de higiene. Os atendimentos contemplam 100% da população feminina do sistema prisional alagoano.

As custodiadas também contam com o setor psicossocial, no qual é possível receber o acompanhamento psicológico e a assistência social individualizada e humanizada. Por meio do atendimento psicológico, as reeducandas participam de palestras que buscam combater a depressão e baixa-estima; já por meio do trabalho desenvolvido pela assistência social, é possível resgatar alguns elos com a sociedade, através do restabelecimento do relacionamento familiar, tendo o trabalho da assistência social como ponte neste processo, contribuindo para o bem-estar tanto do apenado quanto dos relacionamentos interpessoais desenvolvidos dentro da unidade prisional. Atualmente o sistema prisional é responsável pela custódia de 220 reeducandas.

O secretário de Ressocialização e Inclusão Social, coronel PM Marcos Sérgio de Freitas, enfatiza a importância das ações desenvolvidas pelo setor de Saúde da Seris. “O trabalho realizado pela equipe de saúde é essencial para se garantir um ambiente seguro dentro das unidades prisionais. A secretaria vem trabalhando constantemente neste sentido, por meio de medidas que buscam identificar patologias nos apenados, garantindo, além de um tratamento humanizado, a não proliferação das doenças no sistema prisional”, concluiu.

Os exames de dosagem hormonal acontecem nos dias 23 e 24 de abril, no período da manhã, no presídio feminino Santa Luzia e no Centro Psiquiátrico Judiciário, situado no complexo prisional de Maceió.

Ascom – 24/04/2019

(Visited 4 times, 1 visits today)